Quinta-feira, 28 de Agosto de 2008
Só Visto 439 - Empresário de Viana quer ser Camelo

Um empresário de Santa Marta de Portuzelo, em Viana do Castelo, está prestes a conseguir, aos 65 anos, concretizar um sonho que acalenta há décadas: ser chamado de Camelo, refere a agência Lusa. «Neste momento, só falta a assinatura do ministro da Justiça para ser um Camelo a sério, de pleno direito», disse António Martins da Rocha. O empresário não escondeu a ansiedade que sente «por ver chegar o dia em que poderá, finalmente, acrescentar no seu bilhete de identidade o nome daquele animal». «Todos me conhecem por Camelo mas só agora, aos 65 anos, é que me vou transformar num Camelo de verdade», graceja António, sublinhando que, quando isso acontecer, vai festejar «como se do seu baptizado se tratasse». António Martins da Rocha nasceu a 15 de Fevereiro de 1943, mas os pais foram «terminantemente proibidos» por um padre amigo da família de o registar como Camelo, que era o último apelido da mãe.

António Martins quer «uma grande família de camelos»

«No dia em que eu nasci, o padre deu ordens expressas ao meu pai para não me pôr Camelo no apelido. Disse que era preciso acabar com a raça dos Camelos. E o meu pai cumpriu, porque nesse tempo os padres tinham muito poder», afirma. No entanto, já conseguiu «meter» o apelido nos nomes das duas netas e confessa que os próprios filhos estarão também dispostos a seguir-lhe as pisadas, para reconstruir assim «uma grande família de Camelos» em Santa Marta de Portuzelo. O fascínio de António Rocha pelo apelido é de tal forma forte que, quando abriu uma unidade de restauração, há 25 anos, não hesitou «nem um segundo» na escolha do nome: Restaurante Camelo. Mais tarde, e sem quaisquer pressões do clero, António Rocha acabou por cometer "um erro crasso", ao não dar o apelido de Camelo aos seus dois filhos.«Aí sim, aí é que eu fui um grande Camelo», salienta.

O apelido tem «a vantagem» de transformar um insulto numa saudação

«O meu maior orgulho é quando os meus clientes soltam um 'ah, grande Camelo', no final de uma refeição. É sinal de que ficaram a gostar», refere. O apelido sempre pode dar azo a momentos de algum humor, como aconteceu um dia em Braga, com um tio de António Rocha, que tem Camelo no nome. «Ele ia a conduzir e fez uma grande asneira, e de um carro ao lado chamaram-lhe camelo. Ele virou-se para mim e disse-me: Estás a ver? Até em Braga me conhecem», contou, com humor. Para António Rocha, este apelido, tem «a vantagem» de transformar um insulto numa saudação. «Já ando nisto há mais de quatro meses, com papéis e mais papéis, mas para ser um verdadeiro Camelo estou disposto a tudo. O processo vai ficar-me por uns 40 contos [200 euros], mas nem que fossem 400 eu avançava na mesma. Quero ser Camelo e tenho a certeza que o vou ser aos 65 anos», rematou.



publicado por Master Roshi às 01:37
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

19
20

22
24
27

29
30


posts recentes

Só Visto 469 - Falta de s...

Só Visto 468 - Grupo de a...

Só Visto 467 - E o prémio...

Só Visto 466 - Roubou qua...

Só Visto 465 - Têm de pro...

Só Visto 464 - Cobras fun...

Só Visto 463 - Número oit...

Só Visto 462 - Peixe de t...

Só Visto 461 - Tribunal r...

Só Visto 460 - Macaco «br...

arquivos

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds